©
Tem hora que a gente cansa de tudo, começa achar que a vida está um saco e você não consegue enxergar o futuro que você tinha planejado antes. Você começa a se sentir diferente da sociedade, algo como se você não se encaixasse nela. E com isso, cria-se a necessidade de mudar, mas vamos confessar “dá uma preguiça da porra”. Mas você resolve tentar algo novo, fazer lances que você não tinha pensado antes para criar oportunidades para voltar para o caminho planejado. Enfim, eu tenho os meus objetivos e as vezes eu levanto com o pé esquerdo e esqueço deles, mas a gente se toca logo e eu estou indo nessa. A vida passa em um piscar de olhos e se você não se tocar você fica pra trás, e voltar no tempo é um pouco impossível certo? Então liga o foda-se e vai ser feliz.

Minha mãe costumava me dizer: “Não importa com quem você se case, desde que ele a ame mais do que você o ama.”
- Nicholas Sparks  (via allaxg)
Então é isso. Eu cansei desse teu jeito estranho de demonstrar que me ama, cansei dessa tua ignorância sem motivo algum e cansei de correr atrás da porcaria da tua atenção. Ou seja, estou aqui, se quiser me ver, vem você. Porém, dez minutos depois, lá estava eu, batendo na tua porta, perguntando:
— Tem um lugarzinho aí pra mim? - O teu bico de emburrada se transformou em riso, dizendo:
— Sempre.
“Sou tão fraco”, pensei.
- Allax Garcia.   (via allaxg)
Era uma dia qualquer de outubro. Eu me sentia entediada naquela manhã sozinha no meu pequeno apartamento. resolvi ir até a praça central da cidade onde moro. comprei algumas sacolinhas pequenas com comidas para pombos. Confesso, esse não era meu hobby favorito até esse dia. quando cheguei tinha pessoas por todas as partes, sentadas nos bancos brancos, sentadas debaixo de árvores lendo livros diversos e até mesmo conversando ao telefone. Parei ali no meio daquele circulo imenso, joguei alguns grãos de comida e fui andando devargazinho de costa para trás, até que parei, mas alguém bateu forte em mim que me fez tomar para frente, fazendo com que os pombos se assustassem e voassem céu a fora. Olhei enfurecida e vi aquela pessoa quase colada em meu rosto quando virei. Ele falou “Tudo bem? Machuquei você?” Eu falei “Estou viva”. E dei um sorriso sem vontade. Ficamos exatamente 24 segundos nos olhando. Ele pediu desculpa mais umas 5 vezes durante esse tempo. Eu falei que estava tudo bem e continuei ali parada esperando alguns pombos voltarem, sentia por trás de mim os olhos dele me fitando. mesmo assim continuei, dei por alguns minutos mais um pouco de comida e fui para casa. Ele me deu um sorrisinho meio de desculpas, ainda. Não consegui tirar aquele homem da minha cabeça durante todo o dia. As 5 da tarde daquele dia qualquer, resolvi ir até o starbucks tomar um cappuccino, sentei numa mesa de lugares para duas pessoas, mas eu estava sozinha como sempre. Sentei, fiz o meu pedido, peguei meu celular e fiquei olhando algumas fotos da minha irmã pequena. Vi uma sombra na minha frente, levantei a cabeça e lá estava ele, aquele cara daquela manhã que quase me fez tombar feio de cara no chão. “Posso sentar?”, ele disse. Fiz que sim com a cabeça, eu não consegui falar uma só palavra. Ele me perguntou se já tinha feito meu pedido e eu disse que sim e mais algumas vezes me pediu desculpas por ter sido descuidado naquela manhã. Conversamos sobre diversas coisas. Para um primeiro “encontro” não combinado, até que ele era parecido comigo. Ele me perguntou se todas as manhãs eu ia na praça e eu disse que não, que aquele foi um dia especial e ele falou “Bote especial nisso”. Fiquei um pouco vermelha, confesso, mas o garçom me ajudou chegando na hora fazendo com que ele desviasse o olhar de mim. Me senti aliviada. Comemos, jogamos conversa fora e as horas passaram voando, quando percebi já era 6:30 e o sol tinha sumido. Eu tinha que ir. E então terminei o cappuccino com algumas torradas e ele ofereceu para pagar a conta, meio sem jeito concordei. Dei um breve tchau e sai andando em direção a porta. Ouvi um grito “Vejo você amanha?” Eu virei e disse “Com certeza”. Meu coração estava quase saindo do peito devido aos acontecimentos de hoje. Tentei não pensar nisso e fui para faculdade. Cheguei às 11 em casa e cai na cama depois de um banho delicioso. E para vocês saberem, ele não passou pela minha cabeça naquela noite. No outro dia de manhã fui a praça central ele já estava lá, quando me viu abriu um belo sorriso. Então sentamos no banco mais perto do meio da praça e demos alguns grãos de comida para os pombos. E aquela seria minha rotina até hoje. Com os dias passando eu vi o quanto maravilhoso era está do lado dele, mesmo que fosse ali, ou tomando um café. Trocamos telefone, email e assim conversamos por horas e horas quando não estávamos juntos. Ele resolveu me incluir em alguns passeios dele pela cidade e eu comecei a acompanha-lo. Era tudo fantástico, perfeito, eu adorava estar ali. Eu adorava saber que ele adorava que eu estivesse ali. Um dia qualquer ai por Janeiro do ano seguinte, fiquei doente e não pude ir na praça, ele me esperou, esperou e esperou. Então foi bater no meu apartamento, e passou o dia inteiro comigo lá, me fazendo carinho e cuidando de mim. Ele odiava quando não íamos a praça fazer o nosso pequeno compromisso. Alguns dias depois da minha gripe um pouco grave começamos a namorar. Estamos hoje com 2 anos de namoro. E sabe aquele cara que você encontra do nada? Aquele que você olha e diz “Que cara babaca”? Então, eu o encontrei. Encontrei quem eu quero ficar por anos e anos. E por incrível que pareça até hoje vamos naquela praça, não como antigamente, mas sempre damos um jeito. E acredite, você terá um amor assim, um amor que apareça de uma hora para outra e mude sua rotina, sua vida. Nada melhor do que esperar o tempo certo, o dia certo, o local certo.
- O amor bateu em minha porta, ou devo dizer, costas?  (via icanbehero)
Era uma dia qualquer de outubro. Eu me sentia entediada naquela manhã sozinha no meu pequeno apartamento. resolvi ir até a praça central da cidade onde moro. comprei algumas sacolinhas pequenas com comidas para pombos. Confesso, esse não era meu hobby favorito até esse dia. quando cheguei tinha pessoas por todas as partes, sentadas nos bancos brancos, sentadas debaixo de árvores lendo livros diversos e até mesmo conversando ao telefone. Parei ali no meio daquele circulo imenso, joguei alguns grãos de comida e fui andando devargazinho de costa para trás, até que parei, mas alguém bateu forte em mim que me fez tomar para frente, fazendo com que os pombos se assustassem e voassem céu a fora. Olhei enfurecida e vi aquela pessoa quase colada em meu rosto quando virei. Ele falou “Tudo bem? Machuquei você?” Eu falei “Estou viva”. E dei um sorriso sem vontade. Ficamos exatamente 24 segundos nos olhando. Ele pediu desculpa mais umas 5 vezes durante esse tempo. Eu falei que estava tudo bem e continuei ali parada esperando alguns pombos voltarem, sentia por trás de mim os olhos dele me fitando. mesmo assim continuei, dei por alguns minutos mais um pouco de comida e fui para casa. Ele me deu um sorrisinho meio de desculpas, ainda. Não consegui tirar aquele homem da minha cabeça durante todo o dia. As 5 da tarde daquele dia qualquer, resolvi ir até o starbucks tomar um cappuccino, sentei numa mesa de lugares para duas pessoas, mas eu estava sozinha como sempre. Sentei, fiz o meu pedido, peguei meu celular e fiquei olhando algumas fotos da minha irmã pequena. Vi uma sombra na minha frente, levantei a cabeça e lá estava ele, aquele cara daquela manhã que quase me fez tombar feio de cara no chão. “Posso sentar?”, ele disse. Fiz que sim com a cabeça, eu não consegui falar uma só palavra. Ele me perguntou se já tinha feito meu pedido e eu disse que sim e mais algumas vezes me pediu desculpas por ter sido descuidado naquela manhã. Conversamos sobre diversas coisas. Para um primeiro “encontro” não combinado, até que ele era parecido comigo. Ele me perguntou se todas as manhãs eu ia na praça e eu disse que não, que aquele foi um dia especial e ele falou “Bote especial nisso”. Fiquei um pouco vermelha, confesso, mas o garçom me ajudou chegando na hora fazendo com que ele desviasse o olhar de mim. Me senti aliviada. Comemos, jogamos conversa fora e as horas passaram voando, quando percebi já era 6:30 e o sol tinha sumido. Eu tinha que ir. E então terminei o cappuccino com algumas torradas e ele ofereceu para pagar a conta, meio sem jeito concordei. Dei um breve tchau e sai andando em direção a porta. Ouvi um grito “Vejo você amanha?” Eu virei e disse “Com certeza”. Meu coração estava quase saindo do peito devido aos acontecimentos de hoje. Tentei não pensar nisso e fui para faculdade. Cheguei às 11 em casa e cai na cama depois de um banho delicioso. E para vocês saberem, ele não passou pela minha cabeça naquela noite. No outro dia de manhã fui a praça central ele já estava lá, quando me viu abriu um belo sorriso. Então sentamos no banco mais perto do meio da praça e demos alguns grãos de comida para os pombos. E aquela seria minha rotina até hoje. Com os dias passando eu vi o quanto maravilhoso era está do lado dele, mesmo que fosse ali, ou tomando um café. Trocamos telefone, email e assim conversamos por horas e horas quando não estávamos juntos. Ele resolveu me incluir em alguns passeios dele pela cidade e eu comecei a acompanha-lo. Era tudo fantástico, perfeito, eu adorava estar ali. Eu adorava saber que ele adorava que eu estivesse ali. Um dia qualquer ai por Janeiro do ano seguinte, fiquei doente e não pude ir na praça, ele me esperou, esperou e esperou. Então foi bater no meu apartamento, e passou o dia inteiro comigo lá, me fazendo carinho e cuidando de mim. Ele odiava quando não íamos a praça fazer o nosso pequeno compromisso. Alguns dias depois da minha gripe um pouco grave começamos a namorar. Estamos hoje com 2 anos de namoro. E sabe aquele cara que você encontra do nada? Aquele que você olha e diz “Que cara babaca”? Então, eu o encontrei. Encontrei quem eu quero ficar por anos e anos. E por incrível que pareça até hoje vamos naquela praça, não como antigamente, mas sempre damos um jeito. E acredite, você terá um amor assim, um amor que apareça de uma hora para outra e mude sua rotina, sua vida. Nada melhor do que esperar o tempo certo, o dia certo, o local certo.
- O amor bateu em minha porta, ou devo dizer, costas?  (via icanbehero)
Quem sabe eu me acerto por aqui e você por aí, e a gente se encontra só pra dizer que tá tudo bem, que foi legal, e que deseja sorte.
- Soulstripper.  (via allaxg)
Fizeram a gente acreditar que amor mesmo, amor pra valer, só acontece uma vez, geralmente antes dos 30 anos. Não contaram pra nós que amor não é acionado, nem chega com hora marcada. Fizeram a gente acreditar que cada um de nós é a metade de uma laranja, e que a vida só ganha sentido quando encontramos a outra metade. Não contaram que já nascemos inteiros, que ninguém em nossa vida merece carregar nas costas a responsabilidade de completar o que nos falta: a gente cresce através da gente mesmo. Se estivermos em boa companhia, é só mais agradável. Fizeram a gente acreditar numa fórmula chamada “dois em um”: duas pessoas pensando igual, agindo igual, que era isso que funcionava. Não nos contaram que isso tem nome: anulação. Que só sendo indivíduos com personalidade própria é que poderemos ter uma relação saudável. Fizeram a gente acreditar que casamento é obrigatório e que desejos fora de hora devem ser reprimidos. Fizeram a gente acreditar que os bonitos e magros são mais amados, que os que transam pouco são confiáveis, e que sempre haverá um chinelo velho para um pé torto. Só não disseram que existe muito mais cabeça torta do que pé torto. Fizeram a gente acreditar que só há uma fórmula de ser feliz, a mesma para todos, e os que escapam dela estão condenados à marginalidade. Não nos contaram que estas fórmulas dão errado, frustram as pessoas, são alienantes, e que podemos tentar outras alternativas. Ah, também não contaram que ninguém vai contar isso tudo pra gente. Cada um vai ter que descobrir sozinho. E aí, quando você estiver muito apaixonado por você mesmo, vai poder ser muito feliz e se apaixonar por alguém.
- John Lennon.  (via allaxg)
Eu não sei se consigo acreditar em você, porque não sinto segurança em nós. Sinto que a qualquer momento você vai embora, e eu vou ficar aqui, confuso, chorando e precisando de um ombro amigo. Por que você não pode seguir em frente? Por que você precisa reafirmar amores e se encher de dúvidas? E aí eu te pergunto “Como eu fico?” A gente se enrolou pra se desenrolar assim? E você vem e diz “É confuso, mas não desiste”. E eu faço o quê? Não quero que me faça promessas porque eu não vou ser capaz de lidar caso elas não aconteçam. Eu amo você, sabe disso, não sabe? Mas não posso ficar aqui, esperando você decidir se me quer tanto quanto eu te quero. Aliás, eu sei que você me quer, mas sei também que não tem total certeza. E sei que não quer me deixar ir, mas também não deixa antigos amores partirem. Só que eu não posso ficar parado no tempo, não mais. Leva estas palavras sinceras e pesadas contigo como lição de casa: Que seja o nosso tempo ou cada um por si.
- Allax Garcia.  (via allaxg)
Eu não espero que você seja o-grande-amor-da-minha-vida, parei de acreditar nisso na quinta série quando a moça que trabalhava na biblioteca do meu colégio me disse que estava se separando do marido dela. Meus pais estão juntos até hoje, mas a gente sabe bem como vão as coisas ali. A moça da biblioteca chorou. Não quero que você me faça chorar. Não quero que você seja um motivo ruim na minha vida. Você é motivo de sorrisos, razão pra eu acordar num dia de chuva e tomar banho e mudar de roupa porque eu sei que você vai passar aqui, vai trazer algo congelado pra gente ver ser aquecido no forno e comer enquanto falamos bobagens. Não quero te odiar. Não quero falar mal de você pros outros. Pras minhas amigas. Quero falar mal de você como quem ama. Pois é, Amanda, ele nunca lembra de desligar o celular antes de dormir e sempre alguém do trabalho liga. Sabe, eu quero dizer isso. Que o máximo de irritação que você me provoca é me acordar de manhã cedo falando bobagens que parecem ser importantes no celular. Não quero que você me largue. Não quero te largar. Não quero ter motivos pra ir embora, pra te deixar falando sozinho, pra bater o telefone na sua cara. E eu não tenho medo que isso aconteça (eu nunca tenho), eu fiz isso com todos os outros. É só que dessa vez eu queria muito que fosse diferente. Dessa vez, com você, eu queria que desse certo. Que eu não te largasse no altar. Que eu não te visse com outra. Que eu não tivesse raiva. Que você não passasse a comer de boca aberta. Que você entendesse o meu problema com chãos de banheiro molhados pra sempre. Que você gostasse e cuidasse de mim como ontem à noite você cuidou. Eu quero que dê certo, não estraga, por favor. Não estraga não estraga não estraga. Posso pôr um post-it na sua carteira? Mesmo que a gente não fique juntos pra sempre. Mesmo que acabe semana que vem. Nunca destrua o meu carinho por você. Nunca esfrie o calorzinho que aparece dentro de mim quando você liga, sorri ou aparece no olho mágico da minha porta. Mesmo que você apareça na porta de outras mulheres depois de me deixar. Me deixe um dia, se quiser. Mas me deixe te amando. É só o que eu peço.
- Tati Bernardi.  (via allaxg)

© Cereja do Sundae